45 segundos

Não imaginava que seria assim.

Nunca imaginei sentir com tamanha intensidade, cada movimento de todas as partes do meu corpo, desde o ar entrando nos pulmões até essa dança das tripas.

Nem essa viagem instantânea para casa da minha infância, numa tarde de chuva sob o alpendre: brincadeira de cartas com meus irmãos. Risos altos, espontâneos, a cada goteira caprichosamente acertada nos cabelos cacheados. Ninguém corre das goteiras!

A cena se acalma, os sorrisos amainam e as cartas caem indolentes. As gotas escasseiam num ritmo lento, de batidas secas… ajustam-se às batidas do meu coração… é verdade, ele faz tum-uma-pausa-tá bem dentro do meu ouvido. Tum-uma-pausa-maior-tá.

Meus irmãos esmaecem em tons de cinza. Sinto meu corpo flutuando sobre pedras frias e um som de água corrente cada vez mais próximo. Tum…

Tá…

Não mais som, só um cinza-negro. E a invasão da água.

3 thoughts on “45 segundos”

Deixe um comentário