8 thoughts on “Outono”

  1. Leve por desapego
    De tudo desamarrado
    Feito dente-de-leão
    Que em sumir se realiza
    Anelando ir com o vento
    Ousado, a coser-se ao Tempo
    Humilde deixar-se ir
    Perpétuo renascimento…

    1. Omar, você deveria mostrar mais suas habilidades de versificação.
      Os versos precisam ser lidos para serem realizados, renascendo em cada leitor.
      O que você acha?

      1. Ando meio enferrujado, Renê. Esses versos acima foram uma inspiração momentânea ao ler o seu ótimo poema acima. Como boa arte costuma ser, seu poema foi inspirador. Uma flor no asfalto, aliviando a aridez da existência num mundo caótico. Grande abraço, Renê. E continue nos inspirando com seu talento.

        1. Renê e Omar,

          A arte nas suas variadas formas me nutre e alegra, permitindo seguir ereta pela vida.

          Mas não me leva a produzir lindezas como vocês, tão queridos amigos.

          Sigo mais leve e mais segura, inspirada no que ainda há de humano na humanidade!!!

      2. Ando meio enferrujado, Renê. Esses versos acima foram uma inspiração momentânea ao ler o seu ótimo poema acima. Como boa arte costuma ser, seu poema foi inspirador. Uma flor no asfalto, aliviando a aridez da existência num mundo caótico. Grande abraço, Renê. E continue nos inspirando com seu talento.

Deixe um comentário